Pesquisar este blog

12.2.09

Sobre o amor e outros Mundos. (Dogmas, certezas e a educação que herdei de minha mãe )

.
.
.    



                   “...Vai pelo caminho da esquerda, boy, 
que pelo da direita tem lobo mau
e solidão medonha."

                    
            (Caio F.)

.
.
.



Fui educada para o amor de um jeito errado.
 .
Quando pequena me tilintavam textos. Minha mãe me dizia bons conselhos, desses passados de ancestrais a ancestrais, até alcançar a mediocridade na qual, até antes desse encontro, me encontrava.
 .
Fui, placidamente, educada para o amor dos outros.
 .
Meus doces desvarios, taxados de comportamento errado, eram-me arrancados no calor da brasa.
.
E os pequenos avivamentos, olhares e sonhos, ficavam intraduzíveis.
Eu fui educada, dogmada, domesticada... Cultuada para o amor.
 .
Amor.
 .
Hoje eu percebo que ele se assentou. Sem muita cerimônia. Em estado bruto.
Ouro que não entreguei ao bandido.
 .
O amor não é o que me disseram.
Ele não é algo simples, sem egoísmo. O amor é cachorro, no sentido violento de adjetivo.
 .
E o que mais me seduz nesse encanto é esse gosto de pecado, que ele deixa em mim.
 .
Posso contar-lhes dele, sobre ele, sobre os seus anseios, mas, ora... não preciso que me olhem de soslaio. Apenas digo-lhes que ele se assentou, feito pedacinhos de poeira na água límpida.
 .
Se eu contar muito dele, vocês o misturam e ele volta a turvar-se.
 .
Prefiro-o assim, desmistificado e segredoso, quente. Sem boa educação e sem limites de ética.
 .
Sem dogmas, sem Neruda.
 .
O amor é um avivamento dos sentidos. O florescimento do caminho de esquerda.
 .
 .
 .
 .
(Jessiely Soares)

5 comentários:

Asas Flamejantes disse...

Perfeito!

Glauber Vieira disse...

Coisa fina! Esse final, então...

Jessiely Soares disse...

:D Obrigada, mocinhos!


Glauber, querido, descobri que não tenho o fanzine 5

:(

Ah, tu num imagina o quanto fiquei arrasada!

ükma disse...

Minha ídala!

por amor disse...

texto redondo.
parabens!