Pesquisar este blog

30.9.09

(nave)rdade

distraída e desastrada em seus destroços, ellla se viu trôpega no tráfego dos astros
e era a maior testemunha de todos os seus passos dados em falso.
sabia da travessia no céu, de vênus nua sem versos e camisas
mas não sabia que a morte a lhe beijar a face um dia lhe viria e que lhe cobraria a parte que lhe tomou, quando não supunha saber que brincava sem perceber, de pega e esconde com o possível antigo amor.
impossível sim, seria negar a falta, pois já não podia, nem queria... e não devia.
o álcool do hálito aliciavam palavras com maestria...vísceras retorciam, enquanto ellla espelia as negações da dor.
ardor que sentia na pele gelada e na boca que não sorria... sim, a dor ardia na parede fria...enquanto olhos atentos lhe ouviam, verdades da boca sem rimas dellla caíam
no colo e no solo, adubando ou talvez intoxicando, mas com certeza atraindo polos.
e tudo que nunca foi dito, ellla dizia
o gosto que não esquecia, sentia
o carinho que nunca foi feito, agora fluía...
flutuava nas nuvens atrasada, sem saber do amargor que é tentar voltar no tempo...
pois o tempo nunca para, e é roedor das tentativas de sorte e de planos, e um dia nos joga na cara, os ridículos medos de inevitáveis enganos...
e enquanto os olhos dellla transbordavam de loucas verdades, já era o tempo de embarcar, novamente na nave.
sozinha... na nave vermelha rumo ao castelo, sangrando o castigo e o prazer de sobreviver ao inferno e também às delicias das línguas sorvidas em elo. mas enfim, agora sim... ellla se rendia à transparência do futuro que talvez por grande sorte, nada prometia.
pois estava longe, distante demais, de mais uma noite se se tingir de dia...mas ellla sem culpa, sem medo e com gana, enfim sorria... por tudo, quem sabe por nada, talvez apenas pela boca molhada e saboreada pela prata do beijo que tomou por desejo.coisa nada pouca esse tanto de desejo de vícios e versos... da vida, da sorte e da lúdica e sempre citada idolatrada morte que desta vez, foi para ellla quem lhe trouxe a vida.
como confessou, não dublou aquele corpo depois da última partida,apenas o assiste pela janela da nave, a poetar e talvez viver o que ainda lhes reste ou quem sabe lhes falte, por merecimento e reconhecimento nesse céu poético e louco da nave nunca escolhida...


(sheyladecastilhoº

4 comentários:

Larissa Marques disse...

a menina da prosa arretada e língua afiada!
gostei muito!

Cristiano Contreiras disse...

Tão sublime encontrar, me deparar com um universo de puro requinte! parabéns pela proposta do blog - muito me define, já sigo de perto aqui e linkei ao meu humilde espaço. abraço

Malu disse...

surreal, psicotrópica, alucinante. delírio etéreo.

"coisa nada pouca esse tanto de desejo de vícios e versos"...

(sheyladecastilhoº disse...

agradeço, agradeço, agradeço!!!

me entorpecem os adjetivos que vcs me definem... adoooooro!


beijo enorme!