Pesquisar este blog

14.10.09

O poeta, a criança e o elemental





Beijaste-me a alma com versos singelos,
Secaram-me as lágrimas tua canção.
Tão quentes, bem-vindos e sempre tão belos,
Os lábios pousaste no meu coração.

A toda a poesia nós demos vazão.
Vivemos em mundos, os dois, paralelos,
Tal como se os braços, a mente e as mãos
Enfim se tocassem, formando-nos elos.

Tiraste-me um peso do peito, não nego.
O teu ombro é mágico, é transcendental,
Apreço, carinho e aconchego por fim.

Há tantos de ti num conflito de egos:
Poeta, criança e o elemental...
- Qual deles então se mostrou para mim?


Magmah

3 comentários:

Larissa Marques disse...

que belo, cada vez mais surpreendente!

Ruy disse...

Lindíssimo. Verdadeiramente emocionante

Malu disse...
Este comentário foi removido pelo autor.