Pesquisar este blog

21.4.09

Veios Abertos de Latino-America


Uma conta de percepção
Pelos olhos me escapa
Não percebo a mão
Que me seca o rosto,
Não percebo o gosto
Que me prega o tapa,
Apenas a conta
Que dos olhos me escapa.

Uma conta de minh'alma
Pelos olhos me escorre,
Não percebo a calma
Com que ela se vai,
Como desce a face e cai
E no chão se infiltra e morre.
Apenas a conta
Que dos olhos me escorre.

Uma conta de meu reflexo
Em meus olhos se repete,
Não percebo o sexo
Que um dia tivera,
Tampouco a herança de hera
Que me escapou ao gilete.
Apenas a conta
Que em meus olhos se repete.

Uma conta de dor
Por meus olhos flui.
Não percebo o horror
Que da felicidade guardo,
Nem me furto ao fardo
Que a tragédia me intui.
Apenas a conta
Que de meus olhos flui.

Uma conta de amor
De meus olhos nasce,
Não é uma conta, é um calor
Que me arde a vista,
Que me inspira o artista
E que me queima a face.
É uma torrente
Que em meus olhos nasce.

E pelo tempo humano,
Finito reticente,
Choro o pranto cotidiano
Até o esgotamento,
E, o tejo sanguento
Vaza e mingua silente
Para então minha alma seca
Limpar seus olhos insolente.

(Selena Maria)


Descubra quem é o escritor que escreveu esse texto e concorra a prêmios!

12 comentários:

Anônimo disse...

Esse tá bom, mas tá difícil. Vou chutar César.

Ricardo Passos

Nelson disse...

não sou adivinho, mas parece coisa deu um autor afastado da budega, um tal de Jairo, alguém conhece?

Anônimo disse...

nossa, como tá legal! parabéns!

gigio

Robertón disse...

esse ritmo, esse vocabulário, essa rima... Isso é obra do Ruy!

liz disse...

tb acho q é Ruy, mas o Robertón falou antes.


de qq forma... caramba, como são bons esse textos em prosa e verso postados aqui! acho q cada um posta aqui o q tem de melhor.

Larissa Marques disse...

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk e eu adoro todos, Liz!

Paulinho Di Andrade disse...

Isso é coisa do Cristiano Deveras, rsrsrs, ou da Larissa num dos seus momentos homem/mulher, rsrs
Mas ainda acredito que seja o CRISTIANO!

Anônimo disse...

Um dia eu juro que vou poder decifrar.




Ogro da Fiona

Leonardo Quintela disse...

parece o Ruy Chapéu da poesia...

Leonardo Quintela disse...

se não for o Ruy Vilão é o Jack, o estripador... rs

Larissa Marques disse...

Pois é Jack, e o Quintela já escolheu seu prêmio...
No outro ele pediu as pílulas de poesia e nesse pediu uma falópios impressa.
Correio já!

liz disse...

caramba!!! Jack escreve poemas assim??? cumé q nunca percebi???

parabéns, pô!