Pesquisar este blog

23.4.09

Marcas






Quando teu Garcia Márquez sem capa
caiu da prateleira
e teu corpo
serpenteou para pega-lo

Não poderias prever
que a divisão dos teus medos
constava de monossílabos
e pequenos estilhaços.

Se tu tivesses me previsto
eu não seria tua pintura
impressionista.

Nem Maria,

- por Eça, tão perfeitamente construída -

Cruzando, com rubro guarda sol,
as ruínas do teu fado.

Se teu Cem anos de solidão
não caísse no meu colo
assim,
como dado viciado do destino,
e a mancha não nos tivesse violentado

eu não te diria que o escuro tem braços,
e, somente nós não sabíamos.

Se tu me soubesses antes disso
eu nem saberia do teu abraço

Nem da marca indelével,
de um sabor que não cruza a calçada

Feita de manhãs e cafezais
pintado num passado amanhã despedaçado:

No dia em que teu Garcia Márquez sem capa
caiu da prateleira
em meu corpo

que, com fúria de pó e fera,

aninhou-se para entrega-lo.




(Jessiely Soares)
Imagem de: ..:Geisa:..

4 comentários:

Adriana disse...

muito criativo, as cosuras entre a literatua e a vida estão amarradas...gostei !

Adriana disse...

as costuras,rs

Flávio Mello disse...

Poxa... vc é fod... muito lindo, amei... graça vc é uma graça!

Rosa Cardoso disse...

amo