Pesquisar este blog

27.10.09




Balada em lá bemol


Vertendo do passado e traduzida,
Escrita hieroglifada em pergaminho...
Ness’hora eu não estava prevenida
Pro vento norte e o cheiro de azevinho.

Bem dizem que um sentido sempre fixa
Em micros, quântuns, píxeis, decibéis,
Aquela imagem n’alma, a mais prolixa:
Memórias que são elos, são anéis.

Estava com Chopin meu pensamento
E não deixou passar esse momento:
Enleado no compasso, em lá bemol.

Um óleo perfumado então me ungiu
O misto de um calor fractal e frio
Enregelante, termo ativo - um Sol...


Magmah

3 comentários:

Larissa Marques disse...

muito bom, menina!

FláPerez (BláBlá) disse...

só gosto dos seus sonetos.
musical!

Larissa Marques disse...

Sara,
de alguma forma a canção que postou toca sempre, tem como mudar isso?