Pesquisar este blog

9.3.10

autodestruição
























"O homem não é a soma do que tem, mas a totalidade do que ainda não tem, do que poderia ter." Jean-Paul Sartre


autodestruição

desejei o submundo
o cais do porto
a maresia que guarda tudo
o cheiro da morte

faltou-me o nome
sobrenome, pão
memória e costela
e ainda quis o desterro

destruí minha retórica
remoí minhas vísceras
e servi no jantar
com vinho barato

venéreo, contaminei algumas
virgens astutas
doces prostitutas
e carolas malamadas

desfolhei cadernos
anotações rasas
versos nulos
para amores vãos

e só tenho o que não quero
palavras falhas
mãos calejadas
pensamentos execráveis

a vaga lembrança
que resplandeci
talvez amei, não sei,
já faz tanto tempo

antagônicos aos desejos bobos
quereres utópicos, ouro dos tolos
almejei apenas ser sozinho
e não sou.

Um comentário:

Rodrigo Passos disse...

Você tem que estar preparado para se queimar em sua própria chama: Como se renovar sem primeiro se tornar cinzas?
(NIETZSCHE)