Pesquisar este blog

9.8.09

Erros





.

escrevo longas cartas
discretas e várias
em que rasgo meus silêncios
bilhetes natimortos
repletos de traços picotados
erros inconfessáveis
você não as lê
prefere que remeta meus dedos
meus beijos envelopados
abraços selados

os erros caem sem ruído
numa festa de enganos
confetes coloridos
passeiam pela tarde
e parecem repetir
nossas conversas

vagos e inválidos
seus pensamentos
destrincham minha pele
e minha rima
suavemente


.
Imagem do anime Nana

4 comentários:

Ruy disse...

Me oferta. Volto a ser o suspeito
que te aperta no peito
E te entende, te sorri.

Imagens que são quase minhas
Pequeninas, comezinhas
Imagens que sempre vi.

E Rosa, essa Rosa tão bela
Me oferta a aquarela
Das cores que apenas,
por minhas pequenas dores
pressenti.

Maria Júlia Pontes disse...

Belo poema, aprimeira estrofe leva a força além da segunda.

Muito bom Rosa.

Rosa Cardoso disse...

Ruy, obrigada pelo poema, você é um amigo querido.

Rosa Cardoso disse...

Obrigada, MJ. Suas leituras e opiniões são sempre um presente.