Pesquisar este blog

19.4.10

Liberdade


imagem: John Slater

Não terei em meus dias regras que estabeleçam quem eu sou. Quem não me pode respeitar, ausente-se do meu destino. Quem não me pode enxergar, que assista televisões inócuas.

Viver é o abandono das certezas, a captura dos sonhos. Só busco minha face nas pedras do meu caminho. Nelas me apoio e com elas construo o meu castelo. Calço de fantasias as linhas de minhas mãos e vou ao encontro do monte de Vênus.

O cupido me erra, e eu me acerto.

Tropeço em mim, me despedaço e me reconstruo. Cada gota de sangue caída ainda sou eu e me pertence. São as minhas pegadas: ida e volta.

Diga o que fazer, e eu seguirei adiante. Molde-me e eu me esparramarei. Enclausure-me e me tranformarei em fogo.

Consumindo tempos, espaços e paredes virarei fumaça.

Vou em busca da minha Divindade. Da força que rege a minha vida.

Liberdade: diga-me teu nome. Sim, aquele secreto. Diga para que eu te invoque no meu altar e te coloque como Deusa em minha vida.

2 comentários:

SN disse...

F-A-N-T-Á-S-T-I-C-A-M-E-N-T-E semelhante a alguém que você conhece! Mais uma vez, parabéns pelo excelente uso das palavras! Gosto muito de suas escritas...

Débora disse...

adorei!!
parabéns
muito bom