Pesquisar este blog

10.5.10

Alcance

imagem: Catarina

Não te alcanço, não te danço, não te vivencio.
Quem és tu que aqui estacionas e achas que me abandonas quando quem te desvia sou eu? Quem és para me olhares de cima destas tuas colinas sem fim a começar?

Quem és que me negas até o momento em que serei eu que te negarei?

Ah... vais...

Que sigo um caminho onde teus passos pífios não podem ir.
Que sou desenvolta e percorro sem demora as montanhas andantes onde sou meu berrante e levo o gado para me obedecer.

Ah, vou!

E tu se perdes nos rios, enquanto eu rio vendo o tempo passar.
Tanto tempo passado e o momento - relapso! - se distrai em petardos a me aborrecer. Tua vitória é a mentira que contas nas partidas em que ganhas moedas que o vício não pode comprar.

Me vês?

Vou indo, é dada minha hora. Não te alcanço em tua ronda, não me enxergas no vão. Vou, que os dias passaram, me espera o mercado, as tarefas do dia e as contas que não conheces e não tens.

Vou, porque tua rotina também é mentira, porque teu tempo contado passa aqui do meu lado e me apresso para te perder...

... porque agora é o desejo que me remete ao começo...

e não te quero rever.

Ana Marques

3 comentários:

Moska de Bar disse...

Você brinca bem com as palavras, moça. No caminho, existem atalhos que nem sempre nos leva ao destino. Mas gosto daquilo que enxergamos ao fazer a curva. Beijo grande!

Mågø Mër£Îm disse...

Eu nunca tive pressa pra perder... mas se perco, logo desapego rs

Flá Perez (BláBlá) disse...

ah , que beleza!

e deu vontade de um poema a la nas coxas:

há que se dizer ao homem
(ainda em tempo pra que ele aprenda):
"orgulho besta",
porque não admitir a falta
quando se perde
é foda...

bjbjbj