Pesquisar este blog

5.5.10

(des)inspirar por dentro


bocados vermelhos de ser
pequenas dobras livres
saltos esgrimistas lá dentro
à escuta

será que entrei
- devo ter entrado-
tudo à mesma marcação
eu o espaço
o tempo da palavra
a entropia

não trouxe nada
nada me enviesou
nem pássaros ou navios
só o mundo
em nó vermelho de mim

lembro água
ou areia ainda liquida
a desintegrá-la por precisar
e linhas em fuga de mim
que partem

como chegam olhos baixos
de rostos que habitava
e comboios
de encontros subitamente lúcidos
que não souberam parar,
e pele, sei que há pele
- ainda devo ter pele-
sinto-lhe o grito a transpirar

não trouxe nada,
encosto-me a ver passar linhas
em dolorosa minúcia de ti,
agarro a linha do tempo
e enrolo-a ao pescoço
na esperança que te repita em si

mas o fluxo desata a vibrar
a meada doba irritada
em vez de linhas, ondas,
a velocidade aumenta, deriva
o espaço das palavras
e já nada chega ou se parte
só elas a rir de mim

perdi os olhos,
a pele vermelha,
o comboio
e a precisão da areia

Não sei sair
à roda o tempo
fechou-me cá dentro
a um canto neste poema

Um comentário:

Larissa Marques disse...

Joana, a roda do tempo nos arrasta! Belo escrito!