Pesquisar este blog

21.10.09

Lição de Astro-Poesia Basica - Flá Perez

O infinito é pra todo lado,

inclusive o lado avesso,
o adentro, o desafora,
o anti-horário e o bifurcado.

Distante igual seja qual for o raio,
ele não tem sentido
em qualquer costado,

o infinito, quando sai correndo,
olha pra gente de soslaio.

Pra sabê-lo é preciso
que ele seja des-medido,
despareado,

bem es x paç ss ado,
a partir do meu umbigo.

Mas tome muito cuidado:
pelo menos comigo,
na altura do coração,
a esquerda de quem sai,

está um pouco engarrafado.

8 comentários:

RAUL POUGH disse...

Vezes há, em que a gente acha este mundo uma bosta, por várias razões. Quando a gente pensa em ir embora para a lendária Pasárgada...
Vezes há, entretanto, em que a gente pensa: putz, é tão bom estar aqui pra ler coisas paridas pela tesão literária que alguns carregam dentro de si. É o caso deste poema, é o caso desta poeta.
Bom estar aqui, pra ler você. Bj.

Allan Vidigal disse...

sua gênia maluca.

Maria Júlia Pontes disse...

ahahah Flá
esse foi difudê!!
adoro!

FláPerez (BláBlá) disse...

Paul, vou guardar esse comentário!
bjbj

FláPerez (BláBlá) disse...

Valeu dois troubles! rsrsrsrsrsrs

Larissa Marques disse...

muito bom, mulher!
surpreendente!

Magmah disse...

Flá, minhas reverências. Depois que li teu livro, minha admiração pelos teus textos vem em um crescendo (embora aos trancos e barrancos, por terem uma estética diferente daquela de que eu mais gosto), mas isso aqui tá demaaaais!Parabéns!

FláPerez (BláBlá) disse...

Valeu Lari!bjbj

Magmah, e vc conseguiu me fazer gostar de sonetos, sabia?
sempre incandescentes.
bjbj